Bandits, Favelas and Utopia in Brazilian Funk


II Sensual Lyrics of Tati Quebra-Barraco (of the Cidade de Deus)



Download 0.71 Mb.
Page27/27
Date08.12.2018
Size0.71 Mb.
1   ...   19   20   21   22   23   24   25   26   27

II Sensual Lyrics of Tati Quebra-Barraco (of the Cidade de Deus)


A) “Montagem assadinha – 69”

69 frango assado, de ladinho a gente gosta, 69 frango assado, de ladinho a gente gosta

Se tu não tá agüentando pára um pouquinho, tá ardendo assopra

69 frango assado de ladinho a gente gosta, 69 frango assado de ladinho a gente gosta

Se tu não agüentando para um pouquinho, tá ardendo assopra

Tá ardendo assopra, tá ardendo assopra, fica de joelho faz um biquinho e chupa minha........(piroca)

Tá ardendo assopra, tá ardendo assopra, fica de joelho faz um biquinho e chupa minha........(piroca)
b) “Montagem pidona”

Bota na cara, bota na boca, bota onde quiser,

Bota na cara, bota na boca, bota onde quiser

Bota tudo, huu e faz gostoso huu, bota tudo, huu e faz gostoso huu

Uma salada thola baby, ahaaaaaaaaa, huu huu,

Bota na cara, bota na boca, bota onde tu quiser,

Boca na cara, bota na boca, bota onde quiser

Bota tudo, huu e faz gostoso huu, bota tudo, huu e faz gostoso huu

Uma salada thola baby, ahaaaaaaaaa

Bota tudo, huu e faz gostoso huu, bota tudo, huu e faz gostoso huu


c) “Montagem cartão magnético”

Abre as pernas mexe e gira, abre as pernas mexe e gira, já viu como é que faz

Abre as pernas mexe e gira, abre as pernas mexe e gira, já viu como é que faz

O mané bateu com o carro, quis me levar pro mato

É na suíte do Mirante que eu quebro o meu barraco

Lugar luxuoso não entra mané, só sobe de carro que ver subir a pé

Se liga na Tati o rítimo é frenético, pra você abrir a porta só com cartão magnético…
d) “Montagem cardápio do amor”

Cardápio do amor, cardápio do amor,

Cardápio do amor, cardápio do amor, tu tem que saborear

Com vários tipos de delicias você tem que provar

Se pedir café completo, tu vai comer todinho,

com chantilli nesse corpinho vou lamber ele todinho

Na hora da refeição se você quer sua carne prepara seu espeto

é só lingüiça pra mais tarde…


e) “Montagem comigo ninguém pode”

Sou igual aquela planta, comigo ninguém pode

Já cansei de Pikachu eu quero é caçador de andróide

É ele que eu amo e o meu barraco explode

Quebra o meu, quebra o meu, quebra o meu, quebra o meu…
f) “Montagem bota na theca”

Bota na theca, bota na theca, bota na theca, vem garotinho, theca theca

Bota na theca, bota na theca, bota na theca, ahaa ahaa ahaa

Bota na theca, bota na theca, bota na theca, vem garotinho, theca theca

Bota na theca, bota na theca, bota na theca, ahaa ahaa ahaa

Bota tudo, e faz gostoso, vem garotinho

Bota tudo, e faz gostoso, ahaa ahaa ahaa..
III Funk Songs of the Mid-Nineties

a) “Rap da Felicidade” (by Julinho Rasta and Kátia)


Eu só quero é ser feliz

Andar tranqüilamente na favela onde eu nasci


E poder me orgular e ter a consiência que o pobre tem o seu lugar

Fé em Deus, DJ


Minha cara autoridade não sei o que fazer

Com tanta violência eu sinto medo de viver

Pois moro na favela e sou muito desrespeitado

A tristeza e a alegria aqui caminham lado a lado

Eu faço uma oração a uma santa protetora

Mas sou interrompido a tiros de metralhadora

Enquanto os ricos moram numa grande e casa bela

O pobre é humilhado esculachado na favela

Já não agüento mais esta onda de violência

Só peço a autoridade um pouco mais de competência


Diversão hoje em dia não podemos nem pensar

Pois até lá nos bailes eles vêm nos humilhar

Fica lá na praça que era tudo tão normal

Agora virou moda a violência no local

Pessoas inocentes que não têm nada a ver

Estão perdendo hoje seu direito de viver

Nunca vi cartão-postal que se destaque uma favela

Só vejo paisagem muito linda e muito bela

Quem vai pro exterior da favela sente saudades

O gringo vem aqui e não conhece a realidade

Vai para a Zona Sul para conhecer água de coco

E o pobre na favela passando sufoco

Trocada a presidência uma nova esperança

Sofri na tempestade agora quero a bonança

O povo tem a força só precisa descobrir

Se eles lá não fazem nada faremos tudo daqui


b) “Rap das armas” (MCs Júnior and Leonardo of the favela of Rocinha)

O meu Brasil é um país tropical

A terra do funk, a terra do carnaval

O meu Rio de Janeiro é um cartão postal

Mas eu vou falar de um problem nacional
Metralhadora AR-15 e muito oitão

A Entratek com disposição

Vem super 12 de repetição

45 que ´um pistolão

FMK, m-16

A pisto UZI eu vou dizer para vocês

Que tem 765, 762 e o fuzil da de 2 em 2
Nesse país todo mundo sabe falar

Que favela é perigosa, lugar ruím de se morar

É muito criticada por toda a sociedade

Mas existe violência em todo canto da cidade

Por falta de ensino falta de inforação

pessoas compram armas cartuchos de munição

se metendo em qualquer briga ou em quualquer confusão

se sentindo protegidas com a arma na mão


vem pistola Glok, a HK

vema intratek Granada pra detonar

vem a caça-andróide e a famosa escopeta

vem a pistola magnum, a Uru e a Bereta

colt 45, um tiro s”o arrebenta

e um fuzil automático com um pente de 90

estamos com um problema que é a realidade

e é por isso que eu oeço paz, justiça e liberdade


Eu sou o MC Júnior, eu sou MC Leonardo

Voltaremos com certeza pra deixar outro recado

Para todas as galeras que acabaram de escutar

Diga não a violência e deixe a paz reinar.


c) “Rap do Borel/da liberdade” (Willian and Duda of the favela of Borel)

Liberdade para todos nós DJ!

Demorou pra abalar...
Lalalaô, lalalauê

chega de ser violento e deixa a paz nascer

Lalalaô, lalalauê

funkeiros sangue bom somos Borel até morrer


Se liga minha gente no que nós vamos falar

é de um morro tão querido e a letra vão abalar

lá no Borel amigo é união, paz e amor

na comunidade vai pra gente abalou

o morro mais humilde o bairro Tijucão

porque meus amigos nós somos todos irmãos

lá é como uma família, é gente de montão

no morro e na favela só tem gente sangue bom

porque meus amigos, lá na comunidade

nós fazemos festas em troca de amizade

é uma destas festas para os morros sangue bom

para poder fazer amizade com outros irmãos.


Agora minha gente o Willian e Duda vai falar

do morro mais humilde o endereço eu vou te dar

é uma rua linda, é na Rua São Miguel

nós estamos falando é do morro do Borel

olha meus amigos, muitos lá se foi

e isto entristeceu foi muita gente e também nós dois

foram muito amigos que foram pra o céu

por isso William e Duda pede a paz pro Morro do Borel

viemos cantar, para poder lembrar

um pouco dos amigos que se foi pra nunca mais voltar

pois o nosso mundo é azul igual o céu

é um lugar do mundo está o Morro do Borel


Massa Tijucana escute o que vamos falar

dos nomes mais bonitos que agora vamos citar

Morro do Borel, o Amor e a Mineira

Nova Holanda, e Vigário, Antári e a Mangueira

Morro da Galinha, Cruzada, Abolição

Andaraí, Rocinha, Iriri é o Estadão

….. Paúna, ….., Gardênia Azul,

Turano, Vila Kennedy, eu falei um por um

Jacaré, Manguinho, …... e Ar de Deus,

nós cantamos esse rap no Unido, ele quase esqueceu,

põe a zoação gente, pulando até suar,

gente, nos escutar pra eles pedir pro baile não parar


Não vamos esquecer os amigos MCs

que no Rio de Janeiro estão cantando por aí

Garrincha e Julinho, Dande e Tafarel

ai, que bonito gente o Willian e Duda do Borel

olha meus amigos, eu vou mandar também

tem MC Mascote e MC Nemêm

Infelizmente, shock, o rap vai parar aqui

Eu sou MC William, eu sou Duda, MC

Valeu!

d) “Rap da Rocinha” (MC Galo of the favela of Rocinha)


Quando eu saí de casa só saí com a intenção

É de chegar no baile e as equipes dando som

Com os grandes DJ que também é emoção

Com as equipe maneiro agitando galerão

Quero ouvir
Olelê, olalá, a Rocinha pede a paz pro baile não acabar

Olelê, olalá, a Rocinha tem conceito em qualquer morro que chegar

Só você! Só você!
É que eu sou da Rocinha e estou curtindo o clima

Da maior favela da América Latina

Zona Leste ou Zona Oeste, Zona Norte ou Zona Sul

A favela número um, a rosa da Zona Sul


E pra quê tu dá porrada?

E pra quê tu dá paulada?

Pra quê soco na cara?

Isso é maior mancada

Pra quê brigar, se o futuro é amar?

É que hoje você pega e amanhã vão te pegar

A Rocinha não quer ver você caído nesse chão

Com a cara cheia de tiro e com formiga de montão

Nem andando de ambulância tampouco de rebecão

Vem pro baile meu amigo c'as equipes dando som


Mas se liga meus amigos no que agora eu vou falar

O nome das áreas que vocês vão se amarrar

Vêm a Rua Um, a Rua Dois, e a Rua Três

E também a Rua Quatro não esquece de vocês

Cachopa, Fossinho, Vila Verde e Terreirão

Cidade Nova, Curva do S, Fundação

Via Ápia, Paula Brito e Boiadeiro

Roupa Suja e o Valão sempre têm que vir primeiro

Não esquecemos também do 99, meu irmão,

É que fica do outro lado mas faz parte do morrão


Mas se liga, sangue bom, ou então preste atenção

E agora vou falar as galeras sangue bom

Galeras da Cruzada, Santa Marta e do Pavão,

Tabajara, Mineira e a Providência, sangue bom

Cidade Alta, Juramento, Catete e Vidigal,

Leme e o Galo, olha aí o Serra Coral,

Verde e rosa a Mangueira, a Primeira Estação,

Morro dos Prazeres e a Coroa é sangue bom,

Jacarezinho, Formiga, Macaco

Sapê, Borel, Chácara do Céu,

Serrinha, Pedra Lisa, Estácio e Acari

Iriri, Icomprida e Andaraí,

Niterói, meu amigo, olhaí o Tuiuti,

Não podemos esquecer do morro do Boa Vistão,

que lançou aquele rap e agitou o galerão.

Works Cited

Alvito, Marcos. “A honra de Acari.” Cidadania e violência. Eds. Gilberto Velho and

Marcos Alvito. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1996.
-----“Um bicho de sete cabeças.” Um século de favela. Eds. Alba Zaluar and Marcos

Alvito. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas Editora, 1998.


Andrade, Mário de. Poesias completas. Org. Diléa Zanotto Manfio.

Belo Horizonte e São Paulo: Editora Itatiaia/Editora da

Universidade de São Paulo, 1987.
Andrews, George Reid. Blacks and Whites in São Paulo, Brazil, 1888-

1988. Madison: University of Wisconsin Press, 1991.
Araújo, Vera, “Favelas proibidas aos PMs.” O Globo Online, June 23, 2002.
Arce, José M. Valenzuela. “Rebeldia urbana: tramas de exclsuão e violência juvenil.”

Abalando os anos 90- funk e hip-hop: globalização, violência e estilo cultural. Ed.

Micael Herschmann. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.


Arendt, Hannah. On Violence. New York: Harcourt Brace, 1969.
Arias, Enrique Desmond. Crime, Violence, and Democracy: the State and Political

Order in Brazilian Shantytowns. Diss. U. of Wisconsin-Madison, 2001.
Armstrong, Piers. “Songs of Olodum: Ethnicity, Activism, and Art in a Globalized

Carnival Community.” Brazilian Popular Music and Globalization. Eds. Charles

Perrone and Christopher Dunn. University Press of Florida: Gainesville, 2001.

Browning, Barbara. Samba: Resistance in Motion. Bloomington and Indianapolis:

Indiana University Press, 1995.
Cândido, Antônio e J. Aderaldo Castello. Presença da Literatura

Brasileira: III Modernismo. 9th edition. São Paulo: Difusão

Editora,1983.


Cecchetto, Fátima Regina. “Galeras funk cariocas: os bailes e a constituição do ethos

guerreiro.” Um século de favela. Eds. Alba Zaluar and Marcos Alvito. Rio de Janeiro:

Fundação Getúlio Vargas Editora, 1998.

Crooks, Larry. “Turned-Around Beat: Maracatu de Baque Virado and Chico Science,”



Brazilian Popular Music and Globalization. Eds. Charles Perrone and Christopher

Dunn. University Press of Florida: Gainesville, 2001.


Cunha, Euclides da. Os Sertões. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1968.
Dantas, Pedro. “Cesar Maia pede decretação do Estado de Defesa.” O Globo Online,

June 24, 2002.


Davis-Rodrigues, Corrine. Favela Justice. Diss. U. Of Texas, 2002.
De Souza, Percival. Narcoditadura: o caso Tim Lopes, crime organizado e jornalisom

investigativo no Brasil. São Paulo: Labortexto Editorial, 2002..
Diógenes, Glória. “Rebeldia urbana: tramas de exclsuão e violência juvenil.” Abalando

os anos 90- funk e hip-hop: globalização, violência e estilo cultural. Ed. Micael

Herschmann. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.


Dyer, Richard. “Entertainment and Utopia.” The Cultural Studies Reader. Ed. Simon

During. 2nd ed. Routledge: London and New York, 1999.


Eagleton, Terry. Ideology: An Introduction. London: Verso, 1991.
Faiola, Anthony. “The Fierce Beat of Shantytown Chic: In Rio, Funk Scene Thrills and

Alarms.” Washington Post 11 July 2001: C7.


----- “Brazil’s Elites Fly above their Fears: Rich Try to Wall Off Urban Violence.”

Washington Post Saturday, June 1, 2002: A1.


Fernades, Rúbem César and José Augusto Rodrigues, “Viva Rio: sociedade civil e

segurança pública no Rio de Janeiro.” Presented at XIX Latin American Studies

0Association Conference, Washington, D.C., October 1995 (photocopy).
Ferréz. Capão pecado. 2nd ed. São Paulo: Labortexto Editorial, 2000.
Fiske, John. “Popular Culture.” Critical Terms for Literary Study. Eds. Frank

Lentricchia and Thomas McLaughlin. 2nd ed. Chicago: University of Chicago Press,

1995.
Freyre, Gilberto. Casa-Grande e Senzala: Formação da família brasileira sob o regime

da economia patriarchal, 27. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1968.
Garotinho, Anthony, with Luiz Eduardo Soares, Barbara Soares, João Trajano Sento-Sé,

Leonarda Musmeci and Silvia Ramos. Violência e Criminalidade no Estado do Rio



de Janeiro: Diagnóstico e propostas para uma política democrática de segurança

pública. Rio de Janeiro: Hama Editora, 1998.
Gay, Robert. Popular Organization and Democracy in Rio de Janeiro: A tale of Two

Favelas. Philadelphia: Temple University Press, 1994.
Gilroy, Paul. The Black Atlantic: Modernity and Double-Consciousness. Cambridge,

Mass: Harvard University Press, 1993.


Guillermoprieto, Alma. Samba. New York: Random House, 1990.
Hall, Stuart. “Encoding, Decoding.” The Cultural Studies Reader. Ed. Simon During.

London; New York: Routledge, 1999.


Hanchard, Michael George. Orpheus and Power: The Movimento Negro of Rio de

Janeiro and São Paulo, Brazil, 1945-1988. Princeton: Princeton University Press,

1994.
Hebdige, Dick. “From Culture to Hegemony.” Gender, Class and Race in Media. Eds.

Gail Dines and Jean M. Humez. Thousand Oaks, Calif: Sage Publications, 1995.
Helena, Letícia. “Rap exalta lema do Comando Vermelho.” O Globo 22 Sept.1995.
Herschmann, Micael. O Funk e o Hip-Hop invadem a cena. Rio de Janeiro: Editora

UFRJ, 2000.


-----(org.). Abalando os anos 90- funk e hip-hop. Globalização,

violência e estilo cultural. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.
Hobsbawm, E. J. Primitive Rebels: Studies in archaic forms of social movement in the

19th and 20th centuries. New York: Praeger, 1963.
Holub, Renate. Antonio Gramsci: Beyond Marxism and Postmodernism. London:

Routledge, 1992.


Junqueira, Eliane and José Augusto Rodrigues, “Pasárgada revistitada.” Sociologia:

Problemas e Práticas, no. 12 (October), 1992: 9-18.
Leeds, Elizabeth. “Cocaine and Parallel Polities on the Brazilian Urban Periphery:

Constraints on Local Level Democratization.” Latin American Research Review vol.

31, no. 3 (Fall), 1996: 47-84.
Levine, Robert M. Vale of Tears: Revisiting the Canudos Massacre in Northeastern

Brazil, 1893-1897. Berkely, Calif: University of California Press, 1992.
Lima, William sa Silva. Quatrocentos contra um: uma história do Comando Vermelho.

2nd ed. São Paulo, 2001.


Lins, Paulo. “Quem são os culpados?” O Globo, June 16, 2002, Especial 3.
----- Cidade de Deus: Romance. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.
Ludemir, Júlio. Meu coração no commando. Rio de Janeiro: Record, 2002.
Lurie, Shoshanna. “Funk and Hip-Hop Transculture: Cultural Conciliation and Racial

Identification in the “Divided City.” Brazil 2001: A Revisionary History of Brazilian



Literature and Culture, Portuguese Literary and Cultural Studies 4/5. RPI Press:

Fall River, 2001, pp 643-659.


Maio, Alexandre de and DJ Fábio. “Edi Rock: O Proceder,” Rap Brasil, number 3, 2000.
Matta, Roberto da. "Carnaval como Rito de Passagem," Ensaios de antropologia

estrutural (Petrópolis: Editora Vozes, 1977).
McGowan, Chris and Ricardo Pessanha. The Brazilian Sound: Samba, Bossa Nova and

the Popular Music of Brazil. New York: Billboard Books, 1991.
Murphy, John. “Self-Discovery in Brazilian Popular Music: Mestre Ambrósio.”

Brazilian Popular Music and Globalization. Eds. Charles Perrone and Christopher

Dunn. University Press of Florida: Gainesville, 2001.


Neuwirth, Robert. “Rio Drug Gangs Forge a Fragile Security,” NACLA: Report on the

Americas, Volume XXXVI No 21, September/October 2002.
Quintero Rivera, Ángel. ¡Salsa, sabor y control! Sociología de la música tropical.

Havana: Casa Fondo Editorial de las Américas, 1998.


Perlman, Janice. The Myth of Marginality: Urban Poverty and Politics in Rio de Janeiro.

Bekerley, Calif: University of California Press, 1976.


Perrone, Charles. "Axé, Ijexá, Olodum: The Rise of Afro- and African Currents in

Brazilian Popular Music," Afro-Hispanic Review 11.1-3 (1992): 42-50.


-----Seven Faces: Brazilian Poetry since Modernism. Durham and

London: Duke University Press, 1996.


-----and Christopher Dunn, eds., Brazilian Popular Music and

Globalization. University Press of Florida: Gainesville, 2001.
Potter, Russell. Spectacular Vernaculars: Hip-Hop and the Politics of Postmodernism.

Albany: State University of New York Press, 1995.


Rebelo, Marques “509-E enquadra a sociedade.” Rap Brasil, Year 1, number 3, 2000.
Rohter, Larry. “As Crime and Politics Collide in Rio, City Cowers in Fear,” New York

Times 8 May 2003: A3.
Rose, Tricia. Black Noise: Rap Music and Black Culture in Contemporary America.

New Haven: University Press of New England, 1994.


Sansone, Livio. “The Localization of Global Funk in Bahia and in Rio.” Brazilian

Popular Music and Globalization. Eds. Charles Perrone and Christopher

Dunn. University Press of Florida: Gainesville, 2001.


Scheper-Hughes, Nancy. Death Without Weeping: The Violence of Everyday Life in

Brazil. Berkeley, Calif: University of California Press, 1992.
Schmidt, Selma. “Estudo aponta mais 49 favelas na cidade: Novo levantamento

aerofotogramétrico da prefeitura mostra que o Rio já tem 752 comunidades carentes,”



O Globo, 20 April 2003.
Schwartz, Mark. “Planet Rock: Hip Hop Supa National.” Vibe History of Hip Hop. Ed.

Alan Light. New York: Three Rivers Press, 1999.


Scott, James C. Weapons of the Weak. New Haven: Yale University Press, 1985.
Skidmore, Thomas. Black Into White: Race and Nationalism in Brazilian Thought

New York: Oxford University Press, 1974.


Sneed, Paul. Book review. Brazilian Popular Music and Globalization, eds. Charles

Perrone and Christopher Dunn, in Luso-Brazilian Review Volume 38, Number 2,

2001.

Soares, Luiz Eduardo. Violência e política no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora

Relume Dumara, 1994.

Strauss, Neil. “A New Dance Music Steps Out of the Favelas.” New York Times 11 Feb.


2001: AR 29.
Velho, Gilberto and Marcos Alvito eds. Cidadania e violência. Rio de Janeiro: Editora

UFRJ: Editora FGV, 1996.


Ventura, Zuenir. Cidade Partida. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.
Vianna, Hermano. O Mundo Funk Carioca. Rio de Janeiro: Jorge Zaluar Editora, 1988.
-----“O funk como símbolo da violência carioca.” Cidadania e violência. Eds. Gilberto

Velho and Marcos Alvito. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1996.


Werneck, Antônio. “Uma juventude perdida no tráfico.” O Globo Online, June 24,

2002.
Werner, Craig. A Change is Gonna Come: Music, Race and the Soul of America. New

Baskervill: Plume, 1999.
Williams, Raymond. Marxism and Literature. Oxford: Oxford University Press, 1977.
Winnant, Howard. "The Other Side of the Process: Racial Formation

in Contemporary Brazil." On Edge: The Crisis of Contemporary



Latin American Culture. Eds. George Yúdice, Juan Flores, Jean

Franco. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1992.


Xavier, José Messias and Marcos Nunes. “Cartel forneceu 300 fuzis para o tráfico da

Rocinha,” Extra 30 March 2003.


Yúdice, George. "The Funkification of Rio," Microphone Friends: Youth Music and

Youth Culture. Eds. Tricia Rose and Andrew Ross. New York: Routledge, 1994.
Zaluar, Alba. Condomínio do diabo. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1994.
----- and Marcos Alvito. Um século de favela. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas

Editora, 1998.






Download 0.71 Mb.

Share with your friends:
1   ...   19   20   21   22   23   24   25   26   27




The database is protected by copyright ©sckool.org 2020
send message

    Main page